PSM – Professional Scrum Master

Professional Scrum Master

 

O curso de Professional Scrum Master é a primeira atualização significativa do curso de Certified Scrum Master (CSM) que Ken Schwaber (pai do Scrum e fundador da Scrum.org) introduziu em 2002. Assim como no original, o framework, os mecanismos e papéis do Scrum são endereçados. No entanto, os alunos são ensinados como usar o Scrum para otimizar valor, produtividade e o custo total de propriedade (TCO) de sistemas e produtos. Eles aprendem como fazê-lo através de instrução e exercícios em times. Aprendem a pensar por si próprios para melhor entender quando retornarem ao trabalho.

Para tanto, os princípios do Scrum são cobertos de maneira aprofundada. Os alunos aprendem porque algumas decisões são melhores que outras e porque algumas trazem agilidade enquanto outras levam de volta ao desenvolvimento em cascata. Os alunos aprendem a usar as métricas de produtividade do Scrum para monitorar os resultados de suas decisões. Eles ficam então preparados para tomar decisões que otimizam os resultados.

Este curso será bem aprofundado conduzido através de exercicios em times. Serão abordados tópicos como arquitetura emergente, gestão de um projeto como um todo, como vender como comprar um projeto ágil. Este curso foi criado e é atualizado pelo Ken Schawaber mas o Giovanni Bassi vai falar também como é a experiência da Lambda3 no desenvolvimento

Data: 03/09 – 04/09
Horário: 09h – 18h
Carga horária: 16 horas
Total de vagas: 30
Idioma: português
Local: Globalcode – Av. Bernardino de Campos, 327 cj. 22 – Paraíso

 

Vagas Esgotadas

 

Conteúdo Programático

  • Introdução
    • O que é o Scrum e qual sua história?
  • Teoria do Scrum
    • Porque o Scrum funciona e quais são os seus princípios?
    • Qual a diferença da abordagem tradicional e qual o seu impacto?
  • Framework do Scrum, Papéis, Regras e Fluxo
    • Como a teoria é implantada no Scrum utilizando time-boxes, papeis, regras e artefatos.
    • Como utilizá-los para ser mais eficiente e como eles podem falhar?
  • Mudança
    • Quais mudanças o Scrum traz para uma organização?
    • Qual a melhor forma de realizar mudanças e obter seus benefícios?
  • Incrementos
    • Um incremento deve ser transparente e pronto para inspeção. O que isso significa?
    • O que é um incremento “pronto”?
    • O que acontece com trabalho “não pronto”?
  • Arquitetura Emergente
    • Scrum é empírico. Qual o impacto do empirismo e da emergência em arquiteturas complexas e no desenvolvimento de infraestrutura?
  • Planejamento e Relatórios
    • Planeje um projeto e estime seu custo e data de entrega.
  • Scrum e mudança
    • Scrum é diferente. O que isso significa para o meu projeto e minha organização?
    • Como otimizar a adoção de Scrum dadas as mudanças esperadas?
  • Scrum e Custo Total de Propriedade (TCO)
    • Um sistema não é somente desenvolvido, mas também sustentado, mantido e melhorado. Como otimizar e medir o TCO?
  • Escalando o Scrum
    • Scrum funciona perfeitamente em um time solitário. Ele também trabalha melhor que qualquer técnica com projetos ou releases de produtos que envolvam centenas ou milhares de pessoas distribuídas ao redor do planeta. Como isso é feito e gerenciado?
  • Scrum Master
    • Qual seu papel e como ele pode ser melhor desempenhado?
   

E ainda…

  • Os alunos que participam do treinamento PSM recebem gratuitamente um voucher para realizar a primeira prova de certificação de Scrum “PSM I”
  • Os participantes receberão também um voucher de desconto no valor de US$ 200 para realizar o exame avançado de Scrum “PSM II” (custo original seria de US$ 500, com o desconto cai para US$ 300)
  • Será fornecido material oficial Scrum.org, que também será o material de apoio utilizado durante o curso

Treinamento oferecido por:

Instrutor: Giovanni Bassi

Giovanni é arquiteto, desenvolvedor, agilista, pai, filho, namorado, escalador e provocador. Programa porque gosta, e começou a trabalhar com isso porque acha que trabalhar como administrador é meio chato. Por esse motivo sempre diz que nunca mais vai virar gerente de ninguém. E também porque acredita que pessoas autogerenciadas funcionam melhor e por acreditar que heterarquia é melhor que hierarquia. Mas isso é outro assunto. Foi reconhecido Microsoft MVP depois que alguém notou que ele não dormia a noite pra ficar escrevendo artigos, cuidando e participando do .Net Architects, gravando o podcast Tecnoretórica, escrevendo posts no blog e falando o que bem entende no twitter @giovannibassi. E por falar nisso é no twitter que conta pra todos que gerencia de projetos deve ser feita pelo time e não por um gerentes, que greves em TI são coisas sem sentido e que stored procedure com regras de negócio são malígnas. Você já deve ter percebido (até porque está lá na primeira frase) que Giovanni é agilista. De tanto gostar disso ele trouxe os programas de certificação e treinamento PSD e PSM da Scrum.org pro Brasil, e por causa deles, do MVP e de algum trabalho que aparece tem que ficar indo pros EUA de vez enquando, coisa que prefere não fazer. (É bem comum você ouvir ele perguntando porque a Scrum.org e a Microsoft não estão na Itália, por exemplo.) Junto com alguns Jedis criou a Lambda3, que, apesar de ser pequena e de não ser muito comum no Brasil, insiste em fazer projetos e consultoria direito. Por causa da Lambda3 ele tem trabalhado mais do que quando era consultor independente, mas menos do que a maioria das pessoas. Quer dizer, isso se você considerar que os trabalhos junto à comunidade não são trabalho, caso contrário ele trabalha mais que a maioria das pessoas. Recentemente ele resolveu que merecia viver melhor e ganhar uns anos de vida e desistiu de ser sedentário, fazendo algum barulho de vez em quando com os amigos no twitter com a hashtag #DotNetEmForma. Por causa do convite recente de amigos do lado Open Source (que ele respeita e admira), começou a escalar, e agora está sempre com as mãos machucadas. Mas ainda dá pra programar. Você encontra ele sempre em algum evento, como o TechEd, e o DNAD, mas também outros menos comuns para o pessoal do .NET, como a RubyConf. Nesses eventos, ou ele está vendo palestras, ou batendo papo com alguém, ou codando alguma aplicação que alguém achou que dava pra fazer durante o evento.